You don't have javascript enabled. Please, enable the javascript or try another browser.

Sonhar sem Fronteiras

A ideia, basicamente, era criar uma sala de informática e colocar uma plataforma de educação à distância com cursos profissionalizantes para os jovens. E assim o fizeram. Mas lá, muito mais do que ensinar, vivenciaram momentos maravilhosos e dias intensos divididos entre equipes.

Assim recebemos o relato de Daniela Borges, idealizadora de mais um projeto voluntário que acrescenta e engrandece a nossa corrente de amor. Foram 12 dias em Muzumuia, aldeia africana no país de Moçambique. O centro de acolhimento modelo, da Organização humanitária Fraternidade sem Fronteiras, foi o local escolhido pela família Borges e alguns amigos que embarcaram não só ao continente africano, mas sim, na realização de um sonho, e de muito trabalho e aprendizado em meio a tanta falta de oportunidades.

“Meu nome é Daniela Borges, tenho 40 anos, casada, mãe da Júlia (17) e do João (06), formada em Educação Física. Trabalho no Banco Itaú como consultora financeira há 17 anos.
Atuo em projetos voluntários há 15 anos. Iniciei nos projetos do Itaú Voluntários, e durante 04 anos liderei a equipe de SBCampo (ABC Paulista), para escolhas de projetos que recebem apoio no Itaú Solidário. Depois passei a atuar de forma independente, ajudando a creches e asilos da região em diversas frentes: festas de Natal e Dia das Crianças , festas para arrecadação de verba, arrecadação e distribuição de doações : roupas, sapatos, remédios, brinquedos e alimentos. Atuei em projetos da ONG Por 1 Sorriso em São Paulo e Bahia , atendimento a crianças carentes e refugiadas.

Como toda voluntária, sonhava em conhecer a África e trabalhar em alguma frente por lá. Com a Fraternidade sem Fronteiras, tive a oportunidade de participar da caravana em Maio/17 e conhecer a realidade deles. Uma das coisas que mais me impressionaram, além do sentimento de amor e gratidão, foi a facilidade em usar a internet. Durante a minha viagem, minha filha Júlia estava morando nos Estados Unidos e ao ver todos aqueles jovens quase que “implorando “ por oportunidades, surgiu a ideia de criar uma para eles, usando a internet.

O Projeto “Sonhar Sem Fronteiras”, trata-se de uma sala de informática, onde cada computador tem acesso a uma plataforma de educação à distância, em parceria com uma das melhores empresas brasileiras nesse segmento, a EDUK (startup brasileira especializada em cursos online). Sua plataforma possui mais de 300 cursos profissionalizantes.

 

No processo de captação, recebemos doação de 40 Kits para aula de inglês ( 1º e 2º estágio - 12 meses) da escola de inglês de São Paulo, Cellep. Uma turma com 35 alunos de Muzumuia e Barragem, que terão aula 1X por semana (sábados). Distribuímos cadernos, lápis, borrachas, lapiseiras, grafites e canetas, doados pela empresa Compactor (Cia. de Canetas Compactor, empresa brasileira fabricante do ramo de artigos de papelaria e escritório).

Trabalhamos durante 5 meses na captação e organização do projeto. As doações em dinheiro não atingiram o valor que precisávamos. Nossa ideia era levar tudo em dinheiro e adquirir os equipamentos em Maputo, como as doações eram insuficientes, partimos para o plano B e começamos a pedir a doação do equipamentos : computador, monitor, cabos, fone de ouvido, mouse, teclado.

Recebemos R$ 7mil nas contas da FSF, e mais algumas doações de pessoas próximas na conta pessoal, valor revertido para compra das cadeiras, equipamentos de elétrica e hidráulica ( fizemos aulas presenciais durante a viagem e doamos esses equipamentos para o centro), tinta, material de limpeza, enfeites de Natal e pagamento do almoço oferecido a 200 convidados no dia da inauguração da sala.

Tivemos em torno de 25 doadores, pessoa física e 6, pessoa jurídica. Cellep doou 40 Kits de aulas de inglês e 40 fones de ouvido, OIW dois roteadores, a Compactor  mais de 2000 itens de escrita ( lápis, caneta, canetinha, lapiseira, grafite), a Petroquímica 15 monitores, a Gaea Consulting 10 computadores, JR1 20 mouses e 20 teclados e a Colgate doando 300 Kits infantil e 500 Kits adulto (escova e creme dental). Escovamos 480 boquinhas.

  

10 DIAS EM MUZUMUIA

 

Nossa viagem durou 14 dias, sendo 10 na aldeia de Muzumuia. Intensos e com tarefas pré-divididas para todos os integrantes da equipe ( inclusive as crianças). Nos quatro primeiros dias organizamos a sala ( parte elétrica, pintura, cabos) e a outra parte da equipe fez palestras para os jovens sobre sonhos, sexualidade ...além do treinamento dos coordenadores e auxiliares da aula de inglês e das aulas de educação à distância.

Após a inauguração da sala , uma parte da equipe acompanhava as aulas ( todas) e a outra parte se dividia para visita a comunidades próximas para entrega de doações . Em um dos dias fomos a Canhane Massingir para dar a aula de escovação e distribuir os Kits doados pela Colgate.

O interesse dos jovens pelas aulas foi acima da nossa expectativa (estamos com fila de espera para todos os cursos). Tenho certeza que muitas portas se abrirão no caminho desses jovens. Formamos grupos no WhatsApp com os coordenadores e auxiliares para tratarmos de dúvidas ou algum imprevisto que possa surgir. Deixamos um equipamento funcionando para vídeo conferência e enviaremos equipamentos para manutenção da sala nas caravanas mensais . Nossa ideia é enviar profissionais a cada seis meses para reciclagem das aulas e manutenção da mesma.

Durante toda a fase de preparação, pensei em desistir todos os dias. Foram muitos os nãos, dificuldade de comunicação e portas que se fechavam diariamente. Mas Graças a Deus, nosso sonho foi maior do que todos esses problemas e conseguimos chegar lá...agora temos um desafio diário: fazer com que tudo continue funcionando corretamente.

Como ser humano eu me senti completa. Tenho aquele sentimento de “ estar no meu lugar no mundo” quando estou em Moçambique. Essa viagem foi ainda mais especial por estar com meu marido, filhos e amigos muito queridos. Não tenho nem como agradecer a paciência e dedicação de cada um deles: Luiz Henrique, Júlia, João , tio Cláudio, Giovanna, Enzo, Laura, Maria Antônia, Maria Paula,tio Rato e o chorão do tio Gazela. Muitas pessoas me perguntam como eu me sinto fazendo esse trabalho e oferecendo essa oportunidade aos jovens, mas de verdade, eu me sinto na obrigação de retribuir nem que seja um pouquinho por todo ensinamento espiritual que recebo deles a todo momento. Gratidão."

  

  

 

Daniela Borges
Madrinha e caravaneira

 

Português, Brasil

Comentar

CAPTCHA
Esta pergunta é pra confirmar que você é um ser humano e não um robó enviando spam automático.