You don't have javascript enabled. Please, enable the javascript or try another browser.

O Batik africano


Além de uma obra de arte, a independência através das tintas. 


“Quadros, cangas, lenços, papéis e tudo que tenha como suporte, o tecido - e além dele - couro e casca de ovo também fazem parte dos trabalhos artesanais que dão forma e nome ao ‘Batik”, pintura manual que colocada em moldura viram peças de decoração.

“Batique” (ou batik) é uma técnica de tingimento em tecido artesanal muito conhecida no mundo todo. Na África as peças são bastante coloridas e os temas desenhados remetem aos animais e desenhos em forma de mulheres africanas, com suas bacias e baldes, ou trouxas que carregam na cabeça.

Arte sem Fronteiras é nome do projeto da Organização humanitária Fraternidade sem Fronteiras, em que aproximadamente 30 jovens de Barragem, Matuba e Muzumuia, três aldeias de Moçambique, desenvolvem as peças artesanais. A mão de obra é toda produzida no centro de acolhimento da ONG em Muzumuia, que desde 2009, acolhe crianças órfãs no país. 

Valéria Pinheiro é caravaneira e coordenadora do projeto, que começou em agosto deste ano, 2017, deu-se início a produção das peças. “A ideia surgiu a partir de uma caravana que participei. Percebi que os jovens tinham talento para o desenho, pintura e escultura. Minha vontade era de contribuir através da arte para o desenvolvimento educacional e motivador dessas crianças e jovens de Moçambique.”

De tempos em tempos, voluntários da FSF se deslocam em caravanas para a África, e prestam atendimentos voluntários na região, médicos, odontológicos, psicológico, higiene pessoal... Atividades culturais fazem parte do processo que une a arte como possibilidade de desenvolvimento humano e autossustentável.

“Em fevereiro retorno para África levando cerâmica. Produziremos esculturas e utensílio. Precisamos dar possibilidades de arte e artesanato dentro dos materiais encontrados na região. Queremos que o projeto cresça e possibilite um turno fora da escola, trazendo novas possibilidades a esses jovens”. Conclui a caravaneira, mestranda em educação. Sua pesquisa de campo é baseada nos jovens do projeto.

Cerca de quatro horas, é o tempo de criação da peça até o processo final de secagem. Cada trabalho é original e feito à mão. O “quadrinho” custa 500 meticais - dinheiro local em Moçambique - R$25,00. A renda das vendas aos caravaneiros é dividida entre as famílias dos jovens e a compra de mais materiais para novas produções.

Samuel Mungoi é profissional da arte e se desloca a cada 15 dias de Maputo, onde mora, para a aldeia de Muzumuia. Cerca de quatro horas de viagem para ensinar as crianças a confeccionar o 'BATIK'. “A ideia da Fraternidade é de que essas crianças aprendam uma nova profissão com o Batik, e quem sabe possam viver do trabalho do Batik. Essa arte é muito importante na sociedade moçambicana”.

 

 

Português, Brasil

Comentar

CAPTCHA
Esta pergunta é pra confirmar que você é um ser humano e não um robó enviando spam automático.